Roteiro Itararé e Sengés - 4 dias de feriado prolongado no limite São Paulo e Paraná - Cachoeira Erva Doce

Roteiro Itararé e Sengés – 4 dias entre cânions e cachoeiras

Depois de ler sobre as atrações do Vale do Itararé, decidi curtir o feriado prolongado na região. Montei meu Roteiro Itararé e Sengés com apenas um dia de antecedência e parti pra essa viagem surpreendente e a apenas 4 horas de São Paulo.

Vou compartilhar com você os detalhes do roteiro Itararé e Sengés. Outras informações sobre a região do vale dividido entre São Paulo e Paraná você pode ler nesse post aqui.

Choque cultural em Oruro

Um choque cultural em Oruro, na Bolívia

São Paulo, capital. A maior cidade e a que recebe mais investimento no Brasil. É ali que eu moro.

Uma cidade que recebe influências de grandes cidades e potencias mundiais. Que se espelha em cidades modelos no mundo. Enfim, uma cidade imensa e em busca de evolução o tempo todo.

Imagina o baque que foi chegar em Oruro, uma cidade não turística na Bolívia.

Meu primeiro contato com nosso vizinho, a Bolívia, foi através do passeio do Salar de Uyuni. Muitas belezas e serviço prestado com qualidade. Tinha pizza, hamburguer e massa italiana.

De lá segui de trem, o Wara Wara, para Oruro. Ao desembarcar o choque cultural veio com tudo. Oruro não é feito para turista, como Uyuni. Oruro é diferente:

Machu Picchu, a exploração financeira e o submundo do turismo

Estive em Machu Picchu na última segunda-feira, dia 12 de outubro.

Planejei essa visita por muitos anos e era um dos lugares que mais queria conhecer. Aliás, quem não espera conhecer Machu Picchu? Mochileiros e afortunados, casais e famílias com crianças e idosos… Todo mundo quer ver de perto uma das maiores “descobertas” depois da colonização das Américas.

A pena é ver como esse Patrimônio Cultural da Humanidade se tornou uma fábrica de dinheiro.

Não espere ler nesse texto dicas e informações para chegar até lá. Para isso leia aqui. Agora eu preciso falar sobre a exploração financeira e o submundo do turismo de Machu Picchu.

Seja apenas o que esperam que você seja

Quando digo que pedi demissão para fazer o Pé no Mapa, um mochilão pela América do Sul, muita gente me questiona. “Mas você já não passou da idade para isso?”. “E filhos, quando vai ter?”. “Não é melhor fazer um intercâmbio?”. “Você está indo para estudar, né?”.

Minhas respostas são variadas. Depende do interlocutor, do tom de voz dele, do meu estado de espírito, etc. Mas quase nada do que digo vai conseguir responder essas perguntas, porque não é o que esperam ouvir.

A geração que percebeu que estava presa demais

Achava que só eu não sonhava com um plano de carreira de sucesso. Que só eu não queria passar oito horas ou mais dentro de um escritório. Gastar meu dinheiro com itens que não preciso. Levar horas no carro para chegar ao trabalho. Gabar-me pelos bens materiais que adquiri. Achava que só eu queria levar um estilo de vida diferente, mesmo que fosse por um tempo curto. Então percebi que não estou sozinha e que faço parte de um grupo de pessoas.