7 coisas que aprendi fazendo uma viagem longa e de baixo custo

Passei 137 dias longe de casa. Caminhei muito, andei de carona, dormi de favor, senti fome, passei calor e frio, quase morri de sede. Conheci pessoas, admirei muitas delas; vi lugares, me apaixonei por quase todos; senti coisas, me lembro de tudo.

O que eu aprendi ao longo dos 5 meses de mochilão pela América do Sul eu não poderia aprender em casa, na escola, no trabalho e nem nos livros. Tive que viver para saber como é e tirei uma lição de tudo por que passei.

Aprendi que…

Não preciso de um guarda-roupas cheio. Na mochila de 50 litros eu tinha 2 vestidos, mas no guarda-roupas eu tenho mais de 20. Na mochila eu tinha um chinelo, uma bota de trekking e uma sapatilha, mas na sapateira eu nem tenho mais espaço. Na mochila eu tinha maquiagem básica, que usei duas vezes. Um biquíni, uma toalha, duas calças… Tinha que me virar com o que tinha e a frase “Não tenho roupa” não foi pronunciada. Eu preciso do suficiente. Nada mais!

Day tour na amazônia - Como é o passeio de um dia a partir de Manaus

As pessoas são boas. Eu precisei de muita gente ao longo do caminho. Pessoas que eu não conhecia, nem perguntei o nome e nunca mais vou voltar a ver. Pessoas que pararam tudo para me ensinar como chegar a algum lugar, que me ofereceram um lugar para dormir, que abriram as portas dos seus veículos para me levar, que me deram comida e até me fizeram rir. Não encontrei ninguém ruim, ninguém que tenha tentado me tirar algo ou que tenha me machucado. As notícias ruins são as que dão ibope nos jornais, mas as boas são aquelas que a gente vive todos os dias.

Esse é Maurílio, que deu carona pra gente no Brasil

Esse é Maurílio, que deu carona pra gente no Brasil

Temos que valorizar os que nos atendem. Eu trabalhei durante meu mochilão. Limpei quartos em uma pousada do litoral peruano e alguns deles estavam em um estado completamente desnecessário. Aposto que a pessoa que deixou aquilo para alguém limpar nunca pensou no trabalho que daria. Deu dor nas costas recolher papeis picados em lugares que a vassoura não alcançava. Também trabalhei como garçonete no norte brasileiro e me sentia importante quando um cliente perguntava meu nome ao se sentar e me chamava de Aline até a despedida. Também vendi geladinho (sacolé, dim-dim, dudu, chopão…) de caipirinha e era desagradável quando oferecia para alguém e era ignorada. Mas sorria quando a negativa era seguida de um sorriso e um “muito obrigado”. Olhar nos olhos das pessoas que atendem nossa mesa, pensar em quem vai limpar nossa bagunça e ser simpático com quem te aborda é simples e importante para o outro. Não custa nada!

Ganhe R$100 em sua primeira hospedagem - AirBnB

GANHE R$100 E AJUDE A MANTER O BLOG

Não é preciso muito para ser feliz. Passei por aldeias indígenas, comunidades pobres e bairros caros. Pode adivinhar quem estava sorrindo e sendo hospitaleiro? Sim, os mais pobres. Enquanto as pessoas mais endinheiradas se fecham em suas prisões de luxo, com medo que lhe tirem suas conquistas, as pessoas que não têm nada estão de portas abertas, te convidando e interagindo. Elas confiam nas pessoas, até porque quase não possuem nada para que alguém leve embora. Elas têm liberdade para serem felizes, sem medo, sem culpa, sem desconfiança e isso é tudo.

Passeio Salta - Cachi

Que as energias boas que você envia, voltam. Ainda no começo, quando eu tinha medo de as coisas darem errado, ou de ser roubada, etc, muitas coisas deram errado mesmo. Como meu cartão do Itaú ter sido bloqueado e ter que voltar ao Brasil sozinha de Salta ou como ter perdido meu celular no Atacama. Depois que eu aceitei tudo de coração aberto, decidi não temer e nem me preocupar o tempo todo, tudo deu certo. Passei apuros, mas ria mais que me preocupava. Isso era a minha energia leve voltando pra mim.

Que quanto menos emoções a gente vive, mais de coisas a gente precisa. Se eu estava curtindo o dia, como no passeio pelo Salar de Uyuni, me sentia satisfeita com o que estava vivendo. Mas se fosse um dia mais vazio, como caminhar em cidades grandes, eu sentia necessidade de comer e de comprar (e por questões financeiras eu não fazia nem um, nem outro). Desde que voltei para casa, há um mês, a vontade de ter coisas só aumenta, mas quando estou viajando ou vivendo momentos incríveis, nem me lembro de precisar de nada. Parece que a gente busca em bens materiais a sensação de satisfação e de felicidade, mas que são passageiras e não são verdadeiras. Quanto mais emoções sua vida tem, menos você necessita de coisas.

Que um dia ruim é só um dia ruim. Quando alguma coisa dava errado eu achava que o universo queria me dizer alguma coisa. Tinha certeza que eu era a pessoa mais azarada do mundo, mas durante meu mochilão descobri que todo mundo tem dias ruins. A câmera de um foi roubada, o outro reservou o hostel e ficou sem lugar para dormir, alguém que perdeu o voo… Todo mundo tem dias ruins e isso não quer dizer nada, apenas que viver é estar sujeito a tudo que há de bom e ruim. Depois que eu resolver (ou não me preocupar com algo sem solução), o dia ruim vai passar.

Como chegar a Machu Picchu pela hidroelétrica

Eu tava tendo um dia ruim, até que o sol se abriu 🙂

Nada se compara a um aprendizado por meio da experiência. Isso ninguém nunca vai tirar de você!

Seguro viagem barato

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s