Pé no Mapa – Passos de Tilcara/Purmamarca a San Pedro do Atacama

27º dia

Acordamos bem cedo, porque nosso ônibus sairia às 7h.

Era ônibus de viagem, mas lotou e muita gente foi em pé. Em 40 minutos descemos.

Ali, perto de um hotel, pararia o ônibus que iria para San Pedro do Atacama. Se tivesse lugar, poderíamos ir.

Ele passa entre 9h e 12h. Você não pode sair de lá para não correr o risco de perder o busão.

Lembramos que não tínhamos nada para comer e nem café tínhamos tomado. Fui correndo, com altitude e tudo, até uma vendinha e comprei bolacha. Demorou uma hora até que o ônibus da Geminis chegasse.

Havia lugar, juntos! Pagamos AR$800. O caminho é pela quebrada de Humahuaca na Argentina. Lindo!

Tortuga - Purmamarca

Pedra Tortuga (tartaruga) em Purmamarca, à caminho do Atacama

Paramos na aduana e fizemos os trâmites de saída e entrada. Já no Chile o caminho, creio, é pelo Deserto do Atacama.

Entre Argentina e Chile vimos as Salinas Grandes, a Tortuga (uma pedra que se parece uma trataruga), vicunhas, lagoas, montes e muita paisagem que não me deixava dormir.

Caminho Purmamarca - San Pedro do Atacama

Como dorme? Não dá!

Chegamos em S. Pedro umas 15h. Nosso ônibus ainda iria para Calama e depois de uns 10 minutos que ele partiu eu percebi que havia deixado meu celular cair lá dentro.

Fiquei bem estressada! Poxa! Tava cansada de me ferrar 😦

Depois de um tempo fomos para a cidade e começamos a buscar hospedagem.

Ficamos a primeira noite num hostal que não me lembro o nome e pagamos CH$25 mil o quarto. Pesquisamos os preços nas agências dos passeios que queríamos fazer.

28º dia

Dia seguinte fomos para o Hostelling, por CH$9 mil por pessoa.

Procuramos a agência mais barata e fechamos o Valle de La Luna para a mesma tarde.

Umas 16h fomos fazer o passeio. Super legal e muito bonito. Caminhamos, subimos, trilhamos…. No final da tarde esperamos o sol se pôr, porque as montanhas ficam avermelhadas. Muito lindo.

Mas minha surpresa foi a super lua. Tava imensa e surgiu bem ao lado do vulcão Lincancabur. Mais tarde ocorreu a Luna Roja, ou lua vermelha, um eclipse que ocorre apenas em cada 18 anos. E eu tava lá, sem querer, no centro astronômico da América do Sul. Foi lindo!

Voltamos para a cidade e fechamos os geyseres para a manhã seguinte.

29º dia

Acordamos umas 4h30 e por volta das 5h20 nosso transfer nos pegou no hostel. Tava um frio do caramba! Tava congelando dentro da van, imagine fora.

O café tava incluído e paramos para comer perto dos geyseres, a uma altura imensa e um frio insuportável de -12º. Nem consegui comer e entrei na van.

Depois que o sol começou a sair melhorou! Ficou menos frio e deu para curtir as fumaças quentes que saiam do chão.

O Rodrigo entrou nas termas. Eu não tive coragem, porque na hora de sair o bicho pega.

A noite fomos atrás do passeio que atravessa o deserto de sal da Bolívia, o Salar de Uyuni.

Fechamos com a Andean Salt por 90 mil por pessoa. Era o mais barato.

Anúncios

2 comentários sobre “Pé no Mapa – Passos de Tilcara/Purmamarca a San Pedro do Atacama

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s